Frases da semana

Carlos Bocui "O presidente do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental, Carlos Bocui, afirmou que...


Carlos Bocui

“O presidente do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental, Carlos Bocui, afirmou que a especulação imobiliária só acontece pela conivência do poder público. Bocui destaca que os políticos caminham na contramão dos cuidados com o meio ambiente.”

Sonia Francine (Soninha) – 19/07/2011

“Democracia dá um trabalho danado. Exige tolerância, paciência, persistência, respeito, racionalidade… Livre acesso à informação, transparência, honestidade. Audiências Públicas às vezes parecem ser sinônimo de exercício aprimorado da democracia participativa, mas podem ser desvirtuadas – com a sonegação ou deturpação das informações, o aparelhamento da platéia (que pode virar um tipo de torcida organizada), o domínio das paixões sobre a racionalidade. Onde deveria haver um debate mais aprofundado – ou melhor, vários – acaba acontecendo apenas uma discussão superficial e acalorada demais. E depois se contabilizam os números de pessoas presentes e dá a impressão de que foi uma baita discussão ampla, verdadeiramente participativa… Enfim, nossa democracia precisa amadurecer muito ainda, e essas distorções acontecem em toda parte. Tentando acompanhar do modo mais objetivo possível, me atenho à questão mais preocupante, mais mal explicada: POR QUE O MAPA APRESENTADO NA REUNIÃO NÂO TEM O CORREDOR EMPRESARIAL? Obrigada.”

Katia Mazzei – Instituto Florestal de São Paulo – Informação Técnica RBCV No. 06/2011
“A revisão do Plano Diretor deve observar a compatibilidade de suas propostas de zoneamento com os objetivos da APA, de forma a não criar conflitos de usos que podem gerar dúvidas e eventuais impedimentos judiciais para execução de projetos, principalmente quando representam impactos ambientais em unidades de conservação.”

“O cenário futuro neste caso é bastante incerto para os investidores e para o poder público, uma vez que os custos para elaboração de EIA/RIMA com essas características são bastante elevados e correm o risco de não serem aprovados pelo órgão licenciador, aparentemente não há justificativa de utilidade pública ou interesse social desse tipo de empreendimento em ambientes com vários remanescentes de vegetação nativa, muitos cursos d’água e paisagens permeáveis que inclusive justificaram a criação da APA. Projetos industriais e comerciais, geralmente são opções de uso e ocupação em áreas degradadas.”

Carolina Derivi, no blog Eco Balaio, da revista Planeta Sustentável da Editora Abril

“O ponto é que cada cidade precisa descobrir a sua própria vocação. Desenvolvimento não é um caminho único, uma receita pronta. A vocação pode ser indústria? Pode. Mas também pode ser o comércio e os serviços associados à experiência turística, um caminho que Embu já vem trilhando com suas lojas, seus artistas, seus restaurantes e suas áreas protegidas.”