NOSSA LUTA!

O MOVIMENTO A prefeitura de Embu das Artes ameaça destruir a história ambiental da cidade e sua vocação...


O MOVIMENTO
A prefeitura de Embu das Artes ameaça destruir a história ambiental da cidade e sua vocação artística e cultural, durante o processo de revisão do Plano Diretor. As propostas apresentadas pela população não foram atendidas. Nem sequer foram respondidas!
Além disso, pedidos de empresários foram introduzidos no Plano Diretor sem qualquer discussão pública. Agora, a Prefeitura tenta impor o plano a qualquer custo, empurrando goela abaixo da cidade os interesses de especuladores imobiliários.

O Movimento Salve Embu das Artes surge para reunir e encorajar todos os cidadãos do Brasil e moradores da cidade, que querem participar na auto determinação/construção de nosso futuro.
Há quem pense que nós, cidadãos, não reagimos, que não nos escandalizamos, que aceitamos qualquer moeda de troca ou qualquer desculpa.
Nós reagimos sim, temos voz e exigimos ser ouvidos. EMBU DAS ARTES NÃO ESTA À VENDA!

Nossa Luta é COMBATER a ameaça de destruição dos valores Culturais, Artísticos, Ambientais, Humanos de Embu das Artes. A todos os leitores, eleitores e simpatizantes da CAUSA está aqui o nosso convite:
VAMOS À LUTA!


MANIPULAÇÃO!
A prefeitura
tenta manipular a audiência colocando parte da população da cidade contra a outra. Fica clara a indignação dos dirigentes do município com a decisão da JUSTIÇA!

Como assim, SR. PREFEITO?
Enquanto a população da cidade de Embu assiste à reunião intitulada como participativa, a prefeitura já teria articulado estratégias para ludibriar e encobrir a verdade. Reparem que o mapa apresentado para a comunidade no dia 13 de junho NÃO contém o enorme corredor empresarial nomeado como ZCE (Zona Corredor Empresarial).



MAIS MANIPULAÇÃO
Prefeito incita o povo! Não se conforma com ordem JUDICIAL, que barra irregularidades da Prefeitura.

MARIO SERGIO CORTELLA NO FESTIVAL DE POLÍTICA
Discurso brilhante! O que é o Poder?

Programa Ampla Visão – JustTV – 22/07/11
Entrevista de Leandro Dolenc, Milena Fabbrini e Rodolfo Almeida sobre ameaças do novo Plano Diretor